25 de nov de 2008

Evolução do Fusca no Brasil

:: Anos 50

No final de 1950 chegaram ao Brasil os 30 primeiros VW Sedans. Era o começo de um caso de amor entre o país e seu carro mais popular. Tanto que, mal desembarcaram no porto de Santos e logo foram vendidas todas as unidades. Já em 1953 o Fusca com motor 1200 cm3 era montado em um galpão alugado em São Paulo, no bairro do Ipiranga, na Rua do Manifesto. Aumentava o número de admiradores, apesar de muitos ainda estranharem um carro tão pequeno e com motor na parte traseira.
Em 1956, a Volkswagen começou a construção de sua 1ª fábrica no país, um gigante com mais de 10 mil m2 que ficou pronta em 1957. Seu primeiro produto foi a Kombi e até 1957 mais de 2 mil Fuscas e mais de 500 Kombis foram montados. O número ainda era tímido, mas significativo.
A indústria automobilística brasileira dava seus primeiros passos. Se no começo da década de 50 o Fusca era importado; já no final, era produzido em fábrica brasileira.



1959 - Foi introduzido uma barra estabilizadora para o eixo dianteiro.

1961 - Neste ano, ele ganhou uma caixa de câmbio totalmente sicronizada, novas lanternas traseiras e marcador de nível de combustível.

:: Anos 60

Os anos 60 chegam sob o signo da liberdade e da transformação. Um pouco como o Fusca, que encarava qualquer tipo de estrada, debaixo de chuva ou de sol. Um carro econômico e popular que fazia até 10 km por litro na cidade.
O dobro do desempenho dos importados que, cada vez mais, perdiam espaço nas ruas e estradas para o Fusca. Já em 1962, o Fusca era o líder do mercado brasileiro com mais de 31 mil unidades. Os anos 60 são anos de comemoração: em 4 de julho de 1967 a Volkswagen comemora a marca de meio milhão de veículos produzidos no Brasil.


1962 - Passou a ser fabricado com chassi nacional. Os faróis passaram a ter luz assimétrica e na cabine foi instalado um gancho-cabide.

1965 - Ano de muitas inovações: trava de direção, lanterna maior para a placa traseira, indicadores de direção redesenhados, conforme normas internacionais, maior espaço para passageiros do banco de trás, encosto do banco traseiro dobrável, e barra de direção com lubrificação automática. E, opcionalmente era oferecido, pela primeira vez no Brasil, o teto solar.
O Fusca na década de 60 passou por diversas modificações

1967 - Troca do motor 1200 pelo 1300 cilindradas, com 46 cv SAE de potência, dez a mais do que o anterior, um vidro traseiro 20% maior e um controle de luz alta/baixa na mesma alavanca onde já funcionava o indicador de direção. E mais: aro de rodas com maior número de furos, para facilitar a ventilação dos freios e novo escapamento e houve ainda a introdução de um dispositivo que impedia a abertura não intencional das portas.

1968 - A caixa de direção passou a ser lubrificada com graxa ao invés de óleo.


:: Anos 70

O início dos anos 70 registra as melhores vendas do Fusca e o começo da exportação do modelo. Só em 1973 foram vendidos mais de 224 mil unidades, 40% das vendas totais de automóveis no país. 1970 é o ano do Sedan 1500, mais conhecido como Fuscão, era mais luxuoso e vinha com cinto de segurança.
Quatro anos depois, chegava o "Super-Fuscão" (Bizorrão), com motor mais potente de 1.600 cilindradas. Pouca gente diria que ao longo de sua trajetória, o Fusca passou por 2.500 modificações, umas mais visíveis, outras nem tanto. Mas nenhuma foi tão marcante quanto a das lanternas traseiras maiores, introduzidas em 1979. Imediatamente ganharam o apelido de "Fafá", como referência à cantora Fafá de Belém. Na década de 70 a Volkswagen chega à marca de um milhão de Fuscas produzidos no país.

1970 - Nasce o sedã 1500, apelidado de "Fuscão", com motor de 52 cv SAE, bitola traseira 62 mm mais larga que a do 1300, barra compensadora no eixo traseiro, capô do motor com aberturas para ventilação e novas lanternas traseiras incorporando luz de ré. Seu acabamento era mais luxuoso e já vinha com cintos de segurança. O Fusca 1300 desse ano, tal como o Fuscão, ganhou pára-choques de lâmina única mais fortes e resistentes, capô do motor e do porta-malas redesenhados.

1973 - Os dois modelos 1300 e 1500 passam a ser equipados com novo dispositivo distribuidor de avanço vácuo-centrífugo e com carburadores recalibrados, para otimizar o consumo de combustível. Novos faróis mudaram o desenho dos pára-lamas.

1974 - Mudanças fundamentais nos dois sedãs 1300 e 1500 e lançamento do VW 1600-S, o Super Fuscão, com motor de dupla carburação que desenvolvia 65 cv SAE, tinha volante de direção esportiva de três raios, e painel com marcador de temperatura, relógio e amperímetro.

Em 1975 era o ano do Fusca 1500

1975 - Mais segurança ainda: chassi e trilhos dos assentos reforçados. A linha foi ampliada com os modelos 1300L e 1600 (tida como versão normal do Super Fuscão).

1976 - Outra vez a segurança: espelho retrovisor externo maior e em nova posição, limpadores de pára-brisa maiores e com nova fixação.

1977 - Um ano de muitos aperfeiçoamentos: coluna de direção retrátil que protege o motorista em caso de choque frontal, duplo circuito de freios independentes, com luz de advertência no painel para evitar qualquer anormalidade no sistema de iluminação regulável;comando do limpador do pára-brisa na coluna de direção, espelho retrovisor interno destacável em caso de choque e reforços estruturais na carroceria e chassis.

1978 - Mudança do bocal do tanque para a lateral direita do carro, interruptor do pisca-alerta transferido para a coluna de direção e chave única para portas, capô do motor e ignição.

1979 - Volante de direção em polipropileno texturizado, novo espelho retorvisor externo de formato retangular. Lanternas tipo "Fafá" e pára-lamas traseiros reestilizados nos Fuscas 1300 L e 1600.

:: Anos 80

Apesar de ser conhecido no Brasil como Fusca desde os anos 50, só em 1984 veio o "batismo" oficial. Afinal, a essa altura, o carro mais popular do país não era conhecido por um outro nome. Mas a década de 80 também marca o final da produção do Fusca. Foi em 1986, quando a Volkswagen noticiou a descontinuidade do modelo e tocou fundo o coração de milhares de brasileiros.
Era o fim de uma época não só no Brasil, mas em quase todo o mundo. Sob o signo da modernização, a Volkswagen investe em tecnologia e introduz sofisticados robôs em suas linhas de montagem. O produção do Fusca era extremamente manual para os anos 80 e o modelo não permitia o desenvolvimento de modelos derivados, o que se tornou uma característica dos carros mais modernos. Mas um dos fatores mais determinantes do fim do Fusca foi a grande queda em suas vendas, logo após a introdução da família BX (Gol, Voyage, Parati e Saveiro).


1982 - é lançado o Fusca 1300 com motor a álcool.

1983 - A linha de sedãs VW fica restrita aos modelos com motor 1300 que passam a se chamar, oficialmente,Fusca, e incorporam uma caixa de câmbio do tipo "Life-Time", que dispensa a troca periódica de óleo lubrificante.
Aquecimento interno, painel forrado, filtro de ar em banho de óleo e ignição eletrônica para os Fuscas com motor a álcool.
De série, os Fuscas com motor a álcool têm carburadores e bomba de combustível com nova proteção anti-corrosiva, novo filtro a álcool, e válvulas termo-pneumáticas localizadas na entrada dos filtros de ar.

1984 - Desaparece o motor 1300 e surge um novo 1600, com pistões, cilindros e cabeçotos redesenhados, válvulas de escapamento maiores e novas câmaras de combustão que melhoram a queima da mistura ar/combustível. Novos freios a disco dianteiros e barra estabilizadora traseira. `Para comemorar o aniversário do Fusca, A VW lança o Série LOVE.

1985 - Para comemorar o lançamento do linha 85 uma série especial do Fusca passou a ser comercializada. Era um modelo produzido excluivamente na cor Verde Cristalino metálica, com motor 1.6 a álcool, de dupla carburação.Na versão normal o acabamento interno ficou mais luxuosa.

1986 - O Fusca passou a ser oferecido com uma única versão a gasolina ou a álcool. Mais luxuosa, inclui entre outros itens painel de instrumento forrado, volante espumado e bancos reclináveis com apoio de cabeça,além de janelas laterais traseiras basculantes. Nesse ano o Fusca deixa de ser fabricado no Brasil.

:: Anos 90

O que parecia impossível aconteceu. Em 1993, a pedido do então presidente Itamar Franco, a Volkswagen volta a fabricar o Fusca. A idéia era combater o desemprego, estimular a produção de automóveis e oferecer uma alternativa popular de carro.
Após oito meses de preparativos e investimentos de US$ 30 milhões, o Fusca estava de volta trazendo junto 800 novos empregos diretos, 24 mil indiretos e inovações que o faziam melhor do que o modelo retirado de linha sete anos antes.
Vidros laminados, catalisador, barras estabilizadoras na traseira e na frente, pneus radiais, freio dianteiro a disco, reforço estrutural, cintos de segurança de três pontos são alguns exemplos de melhoras, sem falar nos avanços tecnológicos do processo produtivo. Para se ter uma idéia da volta do modelo ao mercado, basta ver sua lista de espera, formada por treze mil inscritos.
No final do milênio, o Fusca surpreende mais uma vez.
Depois de ser novamente retirado de linha em 96, volta em 98 completamente reformulado, tanto no projeto quanto na tecnologia arrojada, mais ajustada ao próximo milênio. Em pouco tempo, a mesma sensação causada, no passado, pelo carro do século já é revivida pelo Novo Fusca.

1998 - O New Beetle foi apresentado oficialmente no Salão de Detroit com uma versão para o público americano, produzida no México.

1999 - O Brasil começa a vender o New Beetle com motor 2.0. No mesmo ano foi divulgada a comercialização de 170 mil unidades em todo o mundo.

Agora só o Mexico produzia o Fusca.

A ÚLTIMA LINHA DE PRODUÇÃO DO FUSCA FOI EM 30 DE JULHO DE 2003 NA FABRICA DA VW DE PUEBLA NO MEXICO

3 comentários:

Ryan disse...

hj mesmo eu li e vi as fotos de todos os modelos de fuscas produzidos... Uma longa e bonita história ... ;D

Anônimo disse...

Verdade Ryan, essa historia é bem legal mesmo!!

Mito

Ryan disse...

Olha, achei bem legal! Fora o prazer de se fazer um serviço no seu próprio carro (xodó) devo dizer que o carro ficou mais estável! Ele estava com uma vibração incomoda na direção e desapareceu! Gostei bastante... Ao menos agora vou ter que reduzir um pouco mais a velocidade nas ruas de paralelepidedo! HAHAHA...


;D